13 de novembro de 2017 - 07:50

Tem piscina em casa? Confira os cuidados que precisa tomar.

Na última semana, duas crianças morreram após cair em piscinas em Cuiabá

Karina Cabral

, da Redação

karina.cabral@olivre.com.br

Ednilson Aguiar/Olivre

corpo de bombeiros, tenente Cavalcante

A tenente bombeira Cavalcante deu dicas de cuidados para casas com crianças e piscina

Somente este ano, 19 crianças morreram afogadas em Mato Grosso, nove a mais do que em 2016. Na segunda-feira da semana passada, duas crianças morreram afogadas ao caírem em piscinas em Cuiabá.

Um momento de descuido pode ser suficiente para a perda de uma criança. Nos dois casos da última semana, os pais não tinham visto que os filhos, um de dois e outro de três anos, tinham entrado na água.

O LIVRE conversou com o Corpo de Bombeiros de Mato Grosso, listou dicas de cuidados para casas com crianças e piscinas e fez um vídeo ensinando o que fazer caso a criança seja encontrada afogada.

A tenente bombeira Ingrid Helena Rocha Cavalcante disse que a prevenção é a melhor forma de impedir esses acidentes.

“Um desses preventivos é o guarda-corpo, que é aquele cercado que a maioria das pessoas fazem, de ferro, para poder impedir que essa criança chegue até a piscina sem o auxílio de um adulto”, disse a tenente.

Ednilson Aguiar/Olivre

corpo de bombeiros, tenente Cavalcante

Os bombeiros realizaram uma simulação para caso a criança seja encontrada se afogando

Cavalcante falou ainda sobre a importância de colocar tampões nas piscinas, que servem para impedir a sucção das bombas dos ralos, visto que há inúmeros casos em que as bombas puxam as pessoas, causando hematomas, afogamentos e em alguns casos até a morte.

Se a criança já tiver entrado na piscina e os pais a encontrarem, há várias formas de tentar salvar a vida do filho. É importante que os pais só entrem na água caso saibam nadar, para que não se tornem vítimas também.

Em seguida, o Corpo de Bombeiros deve ser acionado através do número 193.

Depois é preciso analisar se a criança está respirando. Caso ela não esteja, o indicado é que seja aguardada a presença do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), ou do Corpo de Bombeiro, para realização do procedimento para tentar reanimá-la.

Já no caso de a criança estar respirando, a tenente bombeira Cavalcante ensinou o que os pais devem fazer. Veja vídeo:

Os adultos também precisam de cuidados, principalmente com a chegada do verão, quando muitos procuram rios e piscinas.

“Quando adulto, a gente sempre fala que a primeira precaução é nunca misturar bebida com a água”, disse a tenente.

Ela ainda lembrou da importância de prestar atenção se o rio tem água turva, para que a pessoa saiba onde está pisando. E orientou que mesmo sabendo nadar, o adulto não entre no rio sozinho.

“Porque se ele tiver algum mal súbito, por mais que saiba nadar, pode acarretar em um afogamento, por isso a importância de ter outra pessoa por perto para poder ajuda-lo”, disse.

Ela ainda frisou a mesma regra utilizada para as crianças, a pessoa só deve entrar na água para salvar um amigo, ou familiar, caso saiba nadar muito bem.

Galeria de Fotos